Serpente "mutante" nasce com duas cabeças e surpreende a Alemanha

Espécie não é venenosa e normalmente é vendida como bicho de estimação. De acordo com o dono, essa cobra é o segundo animal que se tem registro no mundo com duas cabeças.

Stefan Broghammer, um criador de serpentes surpreendeu o mundo na terça-feira ao exibir uma cobra píton que nasceu com duas cabeças, em Villingen-Schwenningen, no sul da Alemanha. O animal já possui um ano de idade e mede aproximadamente 50 centímetros.

A espécie píton-real (python regius) é originária da África e não é venenosa. Essa espécie de serpente é vendida normalmente como bicho de estimação em alguns países. Segundo Broghammer, sua serpente é o segundo animal que se tem registro de apresentar essa mutação.
Fonte: Jornal O Fluminense

Conheça a multicolorida garter snake

A Garter snake é uma serpente do gênero Colubridae (Thamnophis), comum na América do Norte, desde o Alasca e Canadá até a América Central. É o único gênero de maior distribuição de répteis no Norte.

As Garter snakes, como todas as cobras, são comedoras de carne. Sua dieta consiste de quase toda criatura que sejam capazes de dominar: lesmas, minhocas, sanguessugas, lagartos, anfíbios, aves, peixes, sapos e roedores. Por viver perto da água, elas comem outros animais aquáticos. O alimento é engolido inteiro. Cobras geralmente se adaptam a comer tudo o que puder encontrar isto porque a comida é geralmente escassa. Embora elas comam principalmente animais vivos, às vezes comem ovos.

As Garter snakes, são cobras venenosas. No entanto, devido às quantidades muito baixas de veneno que produzem,são inofensivos aos seres humanos, principalmente por ser relativamente fraco, e o fato de faltar um meio eficaz de inocular. Elas têm dentes alargados na parte traseira de sua boca, mas suas gengivas são significativamente maiores. Considerando que a maioria das serpentes peçonhentas possui glândulas de veneno anterior ou para frente, as glândulas desta cobra são posteriores (para trás) dos olhos.


As propriedades do veneno não são bem conhecidas, mas parece conter 3FTx, vulgarmente conhecida como três dedos da toxina, que é uma neurotoxina comumente encontrada no veneno de colubrídeos e elapídios. Uma mordida pode causar leve inchaço e uma sensação de coceira. Não são conhecidos casos de lesões graves e muito poucos com sintomas de envenenamento.
Fonte: Dom Escobar

Criação de cobras são um autêntico negócio em cidade chinesa

Zisiqiao, uma cidade aninhada na vasta terra da província de Zhejiang, China, esconde um segredo mortífero. Em casa de cada família de agricultores, os visitantes deparam-se com milhares e milhares de algumas das criaturas mais temidas do mundo: cobras, muitas delas venenosas, conta a Reuters.

Cobras, víboras e pitões estão por todo o lado em Zisiqiao, conhecida como a cidade das cobras, onde os reptéis são criados para servirem de alimento e para a medicina tradicional chinesa, o que contribui para a dinamização da economia local.

“Sendo a principal cidade da China onde se criam cobras, é impossível criar apenas uma espécie de réptil”, explica Yang Hongchang, um agricultor de 60 anos que introduziu a criação de cobras naquela cidade há algumas décadas atrás. “Estamos a investigar diversas espécies de cobras e métodos para criá-las”.

Em 1985, Yang começou a vender cobras que capturava aos vendedores de animais. Contudo, rapidamente ficou preocupado com o facto de as cobras selvagens poderem extinguir-se e começou a investigar formas de as reproduzir em cativeiro. Em apenas três anos, fez uma autêntica fortuna e vários outros agricultores decidiram seguir-lhe os passos. Actualmente, mais de três milhões de cobras são criadas na cidade por cerca de 160 famílias de agricultores.


As cobras são reconhecidas pelas suas propriedades medicinal pela medicina tradicional chinesa e são também utilizadas na sopa e no vinho para fortificar a imunidade das pessoas.

Yang Hongchang abriu a sua própria empresa para dinamizar o negócio e criar a sua própria marca, ao mesmo tempo que desenvolve novas investigações para começar a produzir mais produtos, que vão desde cobras secas, a vinho e pó de cobra. Inicialmente, o método de reprodução consistia em colocar machos e fêmeas juntos, mas as pesquisas permitem agora seleccionar as melhores fêmeas, qual a melhor dieta alimentar e como incubar os ovos, de modo a garantir altas taxas de sucesso.
Fonte: Jornal de Notícias

EUA: após matar 42 em 1 dia, família abandona "casa das cobras"

Uma casa de cinco quartos situada na zona rural de Idaho, próximo a Rexburg, que parecia ser um lugar tranquilo, tornou-se o pesadelo da família Sessions, que decidiu comprá-la em 2009. Após a mudança, Ben e Amber Sessions descobriram que a residência era infestada por cobras. A família, que via sua residência ser invadida por centenas de cobras, deixou o local após de três meses. Hoje o espaço tornou-se conhecido como "a casa das cobras".

Os ex-moradores disseram que às vezes o pátio ficava repleto de cobras e que à noite era possível ouvir os animais deslizando pelas superfícies. A cada dia, antes da família sair da cama, Ben fazia uma "varredura" em casa para afastar os répteis da mulher e dos filhos. "Era como viver em um filme de terror", conta Ben Sessions, 31 anos.

No auge da infestação, 42 cobras foram mortas em um único dia. Cansados de lutar diariamente contra as cobras, os Sessions decidiram sair do lugar. O problema é que no documento da aquisição da casa havia uma observação sobre infestação de cobras. A família acreditou que esta informação era uma história inventada pelos antigos proprietários para livrarem-se da hipoteca, assegurada pelo agente imobiliário. A suposta história, contudo, era verdadeira. Após a entrada na casa, os Sessions perceberam que todos da pequena cidade sabiam do problema com as cobras e sentiram-se enganados. Agora eles reivindicam o direito de não pagar pela casa, que foi vendida por 178,5 mil dólares (R$ 284,6 mil).


Casa voltou a ser oferecida

Alguns meses depois, a casa voltou a ser oferecida, desta vez por um preço menor: 114,9 mil dólares (R$ 183,2 mil). Após a exibição de um programa de televisão que falava do "problema" do local, a propriedade parou de ser anunciada para venda. O ex-morador, Ben Sessions, que foi diagnosticado com estresse pós-traumático, diz que a casa deve ser condenada.

Segundo o biólogo Rob Cavallaro, o fenômeno ocorre porque a construção deve ter sido erguida em um local que antes era o espaço de aglomeração de cobras para hibernação no período do inverno.
Fonte: Portal Terra

Casal compra casa e acha centenas de cobras no imóvel

Um casal americano comprou uma casa de cinco quartos em Rexburg, no estado de Idaho, nos EUA por um preço bem abaixo do mercado. Eles ficaram felizes de encontrar um imóvel que parecia em ótimo estado por US$ 178,5 mil (cerca de R$ 290 mil).

Após se mudarem para a casa nova, descobriram que ela estava infestada com centenas de cobras.



Fonte: Portal G1

A mudança de pele das serpentes

O desenvolvimento de um tegumento com um grau de queratinização mais elevado nos répteis foi um evento importante no processo de independência da água. Os répteis squamatas, em geral, passam por um processo chamado ecdise ou mudança de pele, momento crítico na vida desses animais, porém, necessário para auxiliar no crescimento e na renovação dos tecidos.

A forma como se dá a ecdise varia conforme o tipo de tegumento. Por exemplo os lagartos apresentam diferentes formas de desprendimento da pele velha, geralmente em pedaços irregulares, diferente das mudas de serpentes que se desprendem inteiramente (SMITH 1946; ZUG 1993).

No caso das serpentes, a muda é especialmente interessante uma vez que a pele é trocada por inteiro, de uma só vez. Começando pela cabeça, a pele velha vai se soltando e saindo pelo avesso, como se fosse uma meia (veja o vídeo abaixo). Os casos onde isso não ocorre e a muda acontece irregular (muda imperfeita) podem indicar que algo está errado com a saúde do animal. Por isso, nos serpentários a muda das serpentes é um quesito que é bem observado.




Fatores como parasitas externos, dieta e condições físicas do ambiente inadequadas ou outras situações de estresse prejudicam o processo de muda das serpentes. Quando a muda não acontece por completo pode causar problemas no crescimento de novos tecidos ou levar ao “apodrecimento” de algumas regiões do corpo, agravando a saúde do animal.

O processo de muda das serpentes é de fácil reconhecimento, geralmente, o animal apresenta sintomas bem característicos. A cor dos olhos fica azulada ou esbranquiçada e turva prejudicando um pouco a visão do animal. As serpentes diminuem ou suspendem a alimentação neste período, voltando a alimentar-se somente depois que a muda se completa. O comportamento e a agressividade também sofrem alterações. Nos serpentários se evitam manusear as serpentes durante esse período.


A periodicidade com que as mudas ocorrem depende do estado de saúde do animal, do seu tamanho e idade e das condições do ambiente onde se encontram.
Fonte: Blog do Nurof-UFC

Cobra que bebe leite? Um pouco mais sobre a Pseudoboa nigra, a cobra preta!

A serpente Pseudoboa nigra (Família Dipsadidae) mais conhecida como muçurana ou cobra preta foi descrita pelo pesquisador Vital Brasil. É uma espécie ofiófaga, ou seja, se alimenta de outras serpentes. Portanto, é capaz de resistir ao veneno de serpentes como jararacas (Bothrops) e cascavéis (Coudisona), contudo não possui resistência para o veneno das corais (Micrurus) isto provavelmente pela forte ação neurotóxica.

Ao nascer a Pseudoboa nigra apresenta coloração avermelhada com a cabeça preta, mas ao decorrer do amadurecimento do animal vai mudando a coloração, o que serve como uma das bases de uma lenda bastante conhecida.

Quem já não ouviu falar que algumas mulheres em fase de amamentação dizem que enquanto dormiam, a serpente se aproximava e introduzia sua cauda na boca do bebê, para que este não chorasse, se aproveitando para mamar no seio da mulher, conforme a serpente ingeria o leite sua coloração ficaria esbranquiçada.

Alguns visitantes do NUROF-UFC afirmam (com testemunhos) que as crenças na lenda tem forte apelo e que algumas mulheres gestantes, ao verem uma muçurana, só conseguem ter sossego após o animal ser morto, com medo de que ele venha a “beber” seu leite materno. Não podemos esquecer de algumas características biológicas marcantes dessas serpentes como por exemplo: as serpentes não apresentam a enzima lactase para digerir o leite, além do mais nenhuma serpente é dotada das adaptações no crânio necessárias para realizar a sucção como fazem os bebês humanos (e de outros mamíferos).

Como e por que o leite provocaria a mudança na cor da pele da cobra? Conhece alguém que ganhou alguma manchinha branca por gostar de leite? O fato de algumas muçuranas possuírem coloração branca é devido ao albinismo que ocorre em alguns animais, não estando ligado à quantidade de leite ingerido.

Os mitos e lendas são testemunhos culturais ricos e não se sabe ao certo onde e por que surgiram da forma como ouvimos atualmente. Não se esqueça de pesquisar e conhecer a biologia do animal e a cultura de cada região, somente assim poderá compreender algumas raízes que cercam esses pensamentos!
Fonte: Blog do Nurof-UFC

12 incríveis fotografias de cobras como você nunca viu antes

A maioria das pessoas tem medo de cobras e não querem nem olhar para elas.São répteis fascinantes em diferentes cores e tamanhos. O fotógrafo Guido Mocafico viu a beleza nestes magnificos exemplares da natureza, e registrou incríveis fotos que quase se parecem com pinturas detalhadas.

1. Cobras amarelas

2. Cobras negras


3. Cobras marrons


4. Cobras azuis


5. Cobras verdes


6. Muitas cobras


7. Cobras rubro negras


8. Python


9. Cobras vermelhas


10. Cobras alvi negras


11. Cobras brancas


12. Cobras alvi amarelas

Fonte: Dom Escobar

As incríveis cobras gigantes

Milhares de músculos, quatro fileiras de dentes afiados e uma mandíbula poderosíssima, que abre em 180 graus. É capaz de engolir uma capivara e até um homem. De onde vem tanta força? Um animal sem patas, que se arrasta sorrateiramente e é temido em todo o mundo. Quem não tem medo? Você não tem medo?

Então, imagine o bicho: 140 quilos e 7 metros de comprimento. A anaconda chega a proporções assustadoras. Mesmo assim, consegue se esconder na natureza. Em um pântano raso, a gigante fica imóvel e submersa. Aguenta mais de uma hora sem respirar à espera da presa. À espera do momento certo para dar o bote.

Impressionante: um segundo depois do ataque, a serpente está toda enrolada em volta do animal capturado A vítima não tem como escapar. A intensidade do estrangulamento aumenta. É o abraço da morte. Qual a força desse "abraço"? 300 quilos? Uma tonelada? Acredite, bem mais do que isso.

Tão agressiva e habilidosa quanto a anaconda, a piton domina os pântanos da Flórida, Estados Unidos. A umidade e o calor facilitam a reprodução. No entanto, um mistério: essas cobras não são nativas. Como elas foram parar lá?

Agora, imagine o pânico de uma família: na hora do jantar, uma visita inesperada - uma piton enorme. Essa cobra não costuma atacar o homem. Mas quem garante? Quem se arrisca a tirar da sala um visitante como este? O problema é o desmatamento das florestas, na verdade, a piton não é a invasora. O invasor é o homem, que ocupa áreas naturais e altera o equilíbrio ecológico.

Acompanhe os vídeos:




Fonte: Portal R7

Como é feito o ritual de encantamento de serpentes?

Comum na Índia, em outros países orientais e até no Norte da África, o encantamento de serpentes rola no meio da rua. O encantador escolhe um lugar movimentado e senta-se diante de um cesto que guarda a cobra – geralmente uma naja, que é mais vistosa.

Com o cesto tampado, mas bem ventilado, a cobra fica em repouso no escurinho. Quando o encantador abre o cesto, ela se ergue para checar o que está acontecendo. Ao ver a flauta, assume sua posição natural de defesa, ficando com até um terço do corpo na vertical.

Depois que a naja sobe, começa o carnaval. A flauta é tocada só para enganar a plateia, já que a serpente, surdinha, segue os movimentos, a fim de se defender. Para garantir o show, alguns encantadores passam urina de rato na ponta da flauta, estimulando o olfato da cobra.

Se a cobra dá um bote – o que é raro acontecer –, a flauta vira escudo e o animal se machuca ao mordê-la. Conforme isso se repete na fase de adestramento, a cobra para de avançar.Com a naja devidamente “encantada”, é hora de manobras ousadas, como beijar a cabeça do animal. O segredo é chegar por cima, já que ela só dá o bote para baixo.

Para recolher o animal, basta diminuir os movimentos da flauta – para amansar a cobra – e o volume do som – para enganar os pedestres e descolar uns trocados. Outra medida de segurança é manter uma distância que supere um terço do comprimento da cobra.
Fonte: Mundo Estranho

Homem chega à emergência de hospital com cobra no pescoço

Funcionários da emergência de um hospital em Bucareste (Romênia) fugiram quando Florian Todor chegou ao local. O motivo: o sujeito de 41 anos estava com uma cobra em volta do pescoço.

Mas essa não era a razão de Florian procurar atendimento. A cobra, na verdade, havia sido usada para pressionar um devedor a lhe pagar. Não deu certo. O devedor conseguiu se esquivar, golpeou Florian na cabeça e fugiu, relatou o "Austrian Times".

Florian foi tratado, mas a "arma" foi apreendida. O romeno está proibido de possuir cobras.
Fonte: O Globo

Instituto Vital Brazil completa 92 anos amanhã

No próximo dia 3 de junho, sexta-feira, o instituto completa 92 anos a serviço da ciência e da vida. Para comemorar quase um século, o tradicional produtor de soros hiperimunes preparou um dia de festa e aprendizado.

A programação está recheada de atividades para crianças e adultos.Na parte da manhã os visitantes poderão assistir a tradicional extração de veneno aberta ao público. Durante a extração, biólogos e pesquisadores do instituto explicam passo a passo a retirada do veneno de cobras e escorpiões e depois respondem às dúvidas que surgem. Essa é uma maneira de incentivar a preservação dos animais por meio do conhecimento.

As pessoas também poderão conhecer a exposição de animais peçonhentos vivos. São exemplares de cobras, aranhas e escorpiões venenosos, que ficarão expostos em caixas transparentes, para que o público possa observar detalhadamente os animais. - É muito importante que as pessoas saibam os primeiros passos a seguir e o que fazer e, principalmente, não fazer se picado por um animal venenoso desses. Por exemplo, um "folclore" diz que o acidentado deve fazer torniquete no local da picada. E isso é extremamente perigoso, pode levar à necrose. O certo é lavar o local com água e sabão e procurar um polo de atendimento imediatamente. Tomar estas medidas simples pode salvar uma vida.- , explica Luís Eduardo Ribeiro da Cunha, diretor Científico do Vital Brazil.

Os visitantes poderão levar para casa, ainda, um guia de bolso, que contém fotos de animais peçonhentos e não peçonhentos, para ajudar na identificação, em caso de acidente. No guia de bolso também é possível encontrar a lista com todos os polos de atendimento do estado do Rio de Janeiro. O soro antiofídico (contra veneno de animais peçonhentos) é aplicado somente nesses polos de atendimento e não pode ser vendido. É um serviço gratuito.As atividades serão encerradas com chave de ouro: parabéns com direito a bolo para o instituto.


A exposição com animais peçonhentos vivos ficará aberta ao público no jardim do Vital Brazil, no dia 3 e do dia 6 a 9 de junho, das 9h às 16h. O Instituto Vital Brazil (www.vitalbrazil.rj.gov.br) é uma empresa de ciência e tecnologia do Governo do Estado do Rio de Janeiro vinculado à Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil. O Instituto é um dos 18 laboratórios oficiais brasileiros e um dos três fornecedores de soros contra o veneno de animais peçonhentos para o Ministério da Saúde. Fica na Rua Maestro José Botelho, 64, Vital Brazil, em Niterói.


Confira a programação do dia 3 de junho:

9h30 – Exposição de coelhos e camundongos
10h - Extração de veneno de cobras e escorpião
10h50 - Hora do bolo11h - Visita à exposição permanente
Fonte: Jornal do Brasil

Uma sucuri pode engolir um boi inteiro?

Quem nunca ouviu falar em uma cobra gigante que consegue devorar bois inteiros, sem praticamente nenhum esforço? Segundo a lenda, a sucuri esmaga o animal e depois o engole deixando para fora da boca apenas os chifres!!! Este monstro foi inclusive tema do filme “Anaconda”, que narra a história de uma expedição no Brasil para produzir um documentário - e em vez de uma civilização perdida dá de cara com uma cobra gigantesca.

Além disso, há algumas lendas na região amazônica sobre a sucuri devoradora de homens, que ataca índios ou exploradores à beira da água, sem dar nenhuma chance de defesa. Como não ficar assustado com um animal tão grande, capaz de engolir um homem ou um boi inteiro?

A sucuri ou anaconda é uma cobra que mede até 9 m de comprimento (há relatos de que pode chegar aos 11,5 m), e pesa até 250 kg, sendo a cobra mais pesada do mundo. Se analisarmos criticamente vamos perceber que para devorar um boi inteiro – que pesa entre 400 kg e 500 kg (ou até mais) - ela teria que ser muito maior. Outro fato que ajuda a derrubar a lenda é um costume da sucuri – ela sempre começa a engolir sua presa pela cabeça, ou seja, seria impossível que os chifres do boi devorado permanecessem do lado de fora da boca da cobra.

Claro que um bezerro seria facilmente devorado se estivesse no lugar errado na hora errada. Isto porque a sucuri não caça bezerros e outros animais domésticos intencionalmente. Seus alimentos favoritos são animais que vivem próximos ou na água, como peixes, jacarés, tartarugas, capivaras, filhotes de antas, aves aquáticas e qualquer outro animal que tenha tamanho adequado e possa parecer uma presa para uma sucuri observando de dentro da água, atrás de uma oportunidade para se alimentar. Mesmo assim, para conseguir engolir um terneiro uma sucuri tem que medir mais de 5 m.

Vale a pena lembrar que muito do que ouvimos e vemos a respeito das cobras não passa de lenda e não tem nenhuma comprovação científica, portanto, preste muita atenção quando ler algo na internet ou ouvir uma história de pescador. Se ficar em dúvida procure alguém especializado no assunto para esclarecer. No filme “Anaconda”, as sucuris são representadas como monstros, mas na realidade elas não fazem jus à fama.
Fonte: HSW